Mas afinal, o que é Dropshipping?

Quando falamos em dropshipping, falamos de um modelo de negócios em que uma empresa de revenda opera sem manter estoque. Geralmente esse arranjo ocorre por parceria entre lojistas e fornecedores de produtos.

Esse modelo de negócio faz parte da revolução de operações de supply chain, ou cadeia de suprimentos, que ocorreu no século XX em busca de agilização dos processos industriais e de serviços, diminuindo os custos logísticos que envolvem transporte, armazenamento e controle de estoque.

O dropshipping pode ser implementado em diferentes tipos de negócio, até mesmo em lojas físicas, mas foi no e-commerce que o modelo ganhou força e popularidade.

O dropshipping na prática

Na prática, o dropshipping garante uma simplicidade operacional ao revendedor. O modelo mais comum é a apresentação de uma loja virtual – aos moldes dos e-commerces tradicionais – de produtos de fornecedores terceiros.

A loja é a plataforma que une consumidor e fornecedor. Quando uma pessoa realiza uma compra, o sistema da loja, ao ter o pagamento aprovado, aciona o fornecedor, que separa e prepara os itens comprados para o transporte.

Assim, podemos dividir o processo de compra em uma loja no modelo de dropshipping nas seguintes etapas:

1 – Compra realizada no site

2 – Aprovação do pagamento

3 – Separação do produto pelo fornecedor

4 – Despachar pacote para a transportadora

5 – Entrega ao comprador

O modelo tira etapas como controle de estoque, separação e envio das atribuições do vendedor. Custos inerentes a uma loja física são descartados, o que pode atrair novos empreendedores que buscam uma oportunidade de atuação, mas têm recursos limitados.

E como o dropshipping automatiza (ou terceiriza) vários processos via plataformas digitais, o lojista pode então concentrar seus esforços e recursos nas estratégias de marketing e venda.

Quais as vantagens de investir em dropshipping?

O dropshipping é um modelo que permite empreendedores iniciarem novos negócios mesmo sem a necessidade de grandes aportes financeiros, o que já torna uma opção atrativa mais fácil de iniciar o negócio.

A natureza do modelo de negócios, que desvincula do revendedor atribuições operacionais como controle de estoque e entregas, torna o tipo de negócio mais atrativo para pessoas interessadas em conquistar uma renda extra.

Por trabalhar com fornecedores terceirizados, as lojas de dropshipping têm acesso a uma ampla variedade de produtos, podendo tornar uma loja mais robusta sem custos adicionais para o revendedor.

Como os produtos são enviados e faturados diretamente do fornecedor, o varejista do dropshipping não tem custos com a formação dos estoques, ou seja, não precisa desprender de capital para comprar os produtos que serão revendidos.

Sem a gestão de estoque, outras taxas relacionadas aos custos logísticos também são evitadas. O empreendedor do dropshipping não terá que se preocupar com atividades como separação, manuseio, embalagem e envio. Fora o valor do frete, os outros custos logísticos já são repassados pelo fornecedor no valor mínimo de venda.

Sem as limitações físicas inerentes à gestão de estoque, uma loja de dropshipping pode oferecer uma variedade maior de produtos.

O meio digital permite várias possibilidades para os diversos tipos de aplicação, assim, um negócio no modelo dropshipping pode ser estabelecido pelo desenvolvimento de sites e-commerce ou opções mais econômicas, como anúncios em redes sociais e divulgação via WhatsApp ou a contratação de serviços com páginas customizadas.

E quais as desvantagens?

Como em todo tipo de negócio, existem desafios que impactam diretamente aos empreendedores que por sua vez investirem no modelo de dropshipping.

Ao mesmo tempo em que o revendedor não precisa lidar com os processos logísticos, a falta de controle de estoque e a maior distância do processo de produção pode tornar os processos de separação e de despacho dos itens comprados mais morosos. Isso pode gerar insatisfação dos compradores, eventualmente gerando cancelamento de pedidos.

A distância dos processos, embora facilite a rotina, também dá menos controle ao revendedor sobre os preços oferecidos. Isso pode impactar na competitividade frente a outros players de e-commerce e na gestão da margem de lucros.

O dropshipping no Brasil ainda é muito associado a um modelo internacional, primordialmente na revenda de mercadorias da China. Considerando apenas este modelo, ainda deve-se considerar outras potenciais ameaças, como longos prazos de entrega, avarias nas encomendas e possíveis retenções com taxações de importação pelos Correios e Receita Federal.

Dropshipping é legal?

Outra dúvida frequente é sobre a legalidade da atividade de dropshipping. Afinal, o dropshipping é legal?

A resposta curta e grossa é a mais simples possível: SIM!

Não há nada na legislação brasileira que impeça ou proíba o dropshipping. 

Muitos sites conhecidos do grande público, como Ali Express, Alibaba e Shopify atuam no dropshipping, seja oferecendo ferramentas para empreendedores, seja na própria revenda de produtos. 

Até mesmo gigantes do e-commerce brasileiro, como Amazon e Submarino, utilizam seus sites para revender produtos fora de seu próprio estoque, de fornecedores cadastrados.

O que existe na legislação brasileira são alguns pré-requisitos obrigatórios para toda atividade qualificada como e-commerce. 

Conheça algumas dessas obrigações estabelecidas pelo Decreto Federal nº 7962/13 do Código de Defesa do Consumidor:

  • Toda loja é obrigada a exibir o nome empresarial e o CNPJ;
  • As lojas devem exibir seu endereço físico, telefone e e-mail para contato;
  • Descrição de todos os produtos, incluindo possíveis riscos à saúde e/ou segurança;
  • Especificação de custos adicionais, como frete e tributação (no caso de dropshipping internacional);
  • Condições globais de disponibilidade;
  • Prazo de entrega previsto;
  • Meios de pagamentos disponíveis;
  • Informações sobre possíveis restrições a entregas;
  • Qualificação do site.

Nacional x Internacional – Qual a melhor opção?

Dropshipping Nacional x Internacional

Como já falamos acima, o dropshipping internacional é o modelo mais comum encontrado pela internet. E nele há tanto benefícios como problemas.

Começando pelo lado positivo, recorrer a fornecedores chineses dá acesso a uma grande variedade de produtos, algumas vezes exclusivos, já que a China concentra a maior parte da produção industrial de bens de consumo no mundo.

Contrapondo essa diversidade, já é de conhecimento popular que boa parte dessa produção inclui itens de baixíssima qualidade. Somando isso a uma entrega internacional, demorada e que ainda pode taxar o consumidor pela importação, tem-se os principais obstáculos do modelo.

Por outro lado, o dropshipping nacional ainda é um modelo que começa a ser explorado. Ou seja, ainda é um mercado com potencial para ser explorado. A produção nacional é menos variada que a chinesa, mas geralmente oferece produtos de maior qualidade. E claro, a entrega é muito mais rápida.

Cuidados antes de empreender!

Antes de iniciar qualquer empreendimento, é importante realizar um planejamento para este negócio. E claro que com o dropshipping não seria diferente.

O sucesso da loja virtual passa por criar uma boa loja, com um mix de produtos interessante e um visual atrativo, mas vai muito além dessas premissas. É preciso desenvolver estratégias de marketing e de vendas para atrair pessoas para o seu negócio.

Aqui no blog da Loja Dropshipping criamos conteúdo voltado a ajudar quem deseja empreender em e-commerce e, mais especificamente, no modelo de dropshipping. 

Fique por dentro de nossas redes sociais e venha trocar ideia com a gente aqui pelo blog. Estamos esperando por você!

Deixe um comentário

Seu email não será divulgado ao público